Autor da História que Serviu de Base para o Novo Wolverine Diz o Que achou do Filme.

No final de semana passada estreou o mais recente filme do Carcaju, que mesmo não fazendo uma bilheteria tão expressiva comparado com os recentes “Homem de Ferrro 3″e “Homem de Aço” ainda assim foi o mais visto no fim de semana.

the wolverine_box_office

Pelo que tenho acompanhado a recepção dos fãs e veículos especializados foram bem mornas. Mas o quê Chris Claremont, autor da mini-série que serviu como base para o filme achou do “The Wolverine”*?

Sean Howe do Vulture resolveu ir perguntar diretamente a Claremont , que além de ser autor da já citada mini-série ao lado de Frank Miller, é o mais importante roteirista na história dos X-Men sendo também o responsável junto com John Byrne pela popularização do grupo mutante no início dos anos 80.

Claremont
Chris Claremont também curte camisas havaianas igual o George Perez

Os escritor disse ter gostado bastante dos dois primeiros atos do filme, mas disse que no terceiro o filme deixou a história e as motivações dos personagens em segundo plano, para cair na ação e porradaria generalizada, o que na opinião dele acabou sendo um passo atrás no desenvolvimento da trama. Diz entender a escolha do diretor James Mangold por um caminho mais clichê e massaveístico, afinal é muito mais difícil ser ousado com um o risco de mandar para as pikas um orçamento superior à U$ 100 milhões do que em quatro gibis mensais que devem custar unsU$ 25.000 para ser produzido. Acaba reconhecendo que o filme é um bom blockbuster de verão, mas que ficou bem aquém do que ele estava esperando.

Wolverine_mini_series
A série escrita por Claremont e desenhada por Frank Miller

Para Claremont o mais importante na fase em que escreveu o personagem nos X-Men era mostrar a dualidade dele : se de um lado ele era um assassino impiedoso, quase um animal selvagem , de  outro ele estava sempre perseguindo objetivos nobres para tentar provar aos outros e a si mesmo seu valor. E para provar que ele não é da turma “dazinimigas recalcadas”Claremon diz ter se se sentido honrado por ver alguns conceitos e frases criadas por ele ganharem vida nas telonas, mesmo não tendo recebido nenhum puto ou qualquer reconhecimento por eles:

No primeiro filme do Wolverine, quando ele olha para a Raposa Prateada e diz ( a fala que eu escrevi) “Eu sou o melhor naquilo que faço, mas o que eu faço não é nada bonito de se ver” eu estva na platéia soltando um  “Yesss”com a minha mulher me cutucando com o cotovelo pra que eu parasse com aquilo. Estes são os momentos bacanas.

Pois é, o cara presta um tremendo de um serviço para a Marvel e não aparece nem um “Special Thanks”no final do filme para ele.

Se bem que, pelo que andam falando do filme (eu ainda não vi) e levando se em conta “Wolverine Origens” talvez tenha até sido melhor não incluírem o nome dele…

 

*Imortal é a minha rima

Deixe um comentário abalizado

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s